quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Tolentino Mendonça — Um poema para este tempo


Oração pelas férias

Dá-nos, Senhor,
depois de todas as fadigas
um tempo verdadeiro de paz.

Dá-nos,
depois de tantas palavras
o dom do silêncio
que purifica e recria.

Dá-nos,
depois das insatisfações que travam
a alegria como um barco nítido.

Dá-nos,
a possibilidade de viver sem pressa,
deslumbrados com a surpresa
que os dias trazem pela mão.

Dá-nos
a capacidade de viver de olhos abertos,
de viver intensamente.

Dá-nos
de novo a graça do canto,
do assobio que imita
a felicidade aérea
dos pássaros,
das imagens reencontradas,
do riso partilhado.

Dá-nos
a força de impedir que a dura necessidade
esmague em nós o desejo
e a espuma branca dos sonhos
se dissipe.

Faz-nos
peregrinos que no visível
escutam a melodia secreta
do invisível.

José Tolentino Mendonça

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Segundo Prior da Gafanha da Nazaré: Padre José Francisco Corujo

Para memória futura 

Era rigoroso nas contas 
e cioso nos gastos

O Prior Guerra, de seu nome José Francisco Corujo, nasceu em 17 de fevereiro de 1878, em Ílhavo, tendo sido ordenado presbítero em 12 de julho de 1903. Assumiu a paroquialidade da Gafanha da Nazaré entre 5 de outubro de 1922 e 1948, altura em que fixou residência na sua terra natal. Faleceu em 12 de março de 1963.
Sublinha-se na monografia da paróquia – “Gafanha: Nossa Senhora da Nazaré” – que durante o tempo em que esteve entre nós «deixou um rasto de simpatia». Era uma pessoa bondosa, simples e afável.
«Era rigoroso nas contas e cioso nos gastos. Não quis que se fizesse uma residência nova para não chocar os paroquianos… que, muitos, viviam em palheiros de tábuas…», lê-se na referida monografia.
Dele guardamos uma imagem e um sorriso de bondade que enternecia. Morava perto da escola da Ti Zefa, na atual Av. José Estêvão, em casa que ainda existe. Tinha uma criada idosa, a senhora Felicidade, baixinha e simpática, que dava um bolinho às crianças que iam levar a fêvera do porco e as novidades da terra ao senhor Prior. 
Quando brincávamos no recreio da escola, que era a mesma avenida, ele não deixava de mostrar a sua satisfação por nos ver, enquanto fumava os seus cigarritos feitos à mão.
Não recordamos muito as suas homilias, pregadas nas missas que eram celebradas em latim. Mas de alguns paroquianos mais velhos ouvimos, há anos, que acentuava nas suas prédicas os princípios de vida honrada e reta.
Quando se retirou para Ílhavo, tinha por hábito passear junto à Câmara Municipal, Finanças e Registo Civil, para se encontrar com os gafanhões que iam a essas repartições pagar os seus impostos e resolver os mais diversos problemas. Testemunhámos esse seu hábito, quando um dia fomos com um familiar tratar de um assunto ao Registo Civil. Foi então que o Prior Guerra afirmou que ali contactava, diariamente, com o povo da Gafanha da Nazaré.

Fernando Martins

In "Gafanha da Nazaré — 100 anos de vida"

Laurinda Alves — O stress das férias


«Cada um sabe de si e a casuística de férias é um mundo fascinante, mas há clássicos eternos que podem ser evitados ou, pelo menos, minimizados se as prioridades forem bem geridas em férias. Nomeadamente se formos capazes de desligar telemóveis e computadores, valorizando acima de tudo a qualidade do tempo que passamos com quem gostamos. Este tipo de prioridades também encaixa no planeamento inicial, pois implica uma conciliação estratégica que pode exigir uma conversa prévia com o chefe, na empresa onde trabalhamos. Passa por assumir que em férias não vamos trabalhar ou, no caso imperativo de haver prazos e afins, por estabelecer um par de horas por dia em que ficamos disponíveis para atender telefonemas e responder a mails. Mas não mais que um par de horas.»

Ler a crónica aqui

IX Convívio de Crismados no Jardim Oudinot


35 anos após a celebração, o grupo de crismados da Paróquia da Gafanha da Nazaré voltou a reunir-se no seu Convívio Anual.
O encontro foi no dia 30 de julho e o local escolhido foi o Jardim Oudinot, como habitual, por ser a grande sala de visitas de verão da Gafanha da Nazaré.
Para além das presenças habituais, este ano contámos com Adélia Alves, há vários anos emigrada em França. Os catequistas Fátima Dolores e Hélder Rocha, casal que orientou a caminhada de fé do grupo, também responderam à chamada. 
Foi mais um dia de boas e gratas recordações, num contributo para reunir em fraterno convívio amigos de longos trajetos de formação pessoal e social.
Revigorados pelo convívio, prometemos novo encontro no próximo ano. 

Texto de Hélder Ramos
Foto de Adélia Alves

NB: Guardado nos meus arquivos por motivos de férias.

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Escuteiros da Gafanha da Nazaré precisam do nosso apoio


Como é do conhecimento geral, a Paróquia está a construir a nova sede para o nosso Agrupamento de Escuteiros no terreno adquirido para esta finalidade, na travessa do Margaça. Pela sua natureza e pela vontade do seu fundador, Baden-Powell, este movimento é um movimento nacional, internacional e universal que tem como objetivo dotar o mundo de jovens, física, moral e espiritualmente fortes.

Nacional, porque pretende dotar cada nação de cidadãos uteis e válidos.

Internacional, porque a boa relação entre escuteiros não tem fronteiras.

Universal, porque procura incutir o sentimento de fraternidade aos jovens de todas as nações, classes e crenças.

Como um movimento assumido pela Igreja, o escutismo pretende fortalecer as crenças religiosas, individuais e eclesiais dos jovens.

Neste sentido, a Paróquia, através do saudoso Pe. Miguel de Lencastre, fundou o Agrupamento 588. Como se trata de escutismo católico, a Paróquia pretende que o Agrupamento tenha uma sede digna e espaçosa até porque é constituído por um elevado número de elementos, lobitos, exploradores, pioneiros, caminheiros e chefes. Estamos todos a trabalhar para a construção da nova sede e, como assistente do Agrupamento, tenho de lhe transmitir um voto de louvor porque não se têm poupado a esforços na angariação de verbas para a construção da nova sede. Mais uma vez, este ano, no Festival do Bacalhau, o Agrupamento tem à sua responsabilidade o estacionamento dos automóveis dos participantes no mesmo Festival de onde recolhem algumas preciosas e voluntárias dádivas para ajudar à construção da sede. Se passarmos pelo Festival de Bacalhau ajudemos, usando o estacionamento das instalações do Porto de Aveiro onde se encontram os nossos escuteiros.

Um Bem-haja a todos.

Pe. César Fernandes

Informações Paroquiais


Semana de 13 a 20 de Agosto de 2017

1 – No dia 15 de Agosto, terça-feira, celebra-se a Solenidade de Nossa Senhora da Assunção. Como é dia Santo, as missas serão como aos Domingos. Na segunda-feira haverá missa vespertina na Igreja da Chave às 17:00 Horas e na Igreja Matriz às 19:00 Horas.

2. – A Câmara Municipal de Ílhavo vai realizar de 11 a 17 de Setembro a Semana da Maior Idade, destinada aos Séniores do Município de Ílhavo. As inscrições para as visitas culturais são na Junta de Freguesia até ao dia 17 de Agosto.

sábado, 5 de agosto de 2017

Informações Paroquiais

Semana de 6 a 13 de agosto



1. – Domingo, reunião do Apostolado da Oração, às 16:00 Horas, na Biblioteca da Igreja Matriz.

2. – A Câmara Municipal de Ílhavo vai realizar de 11 a 17 de Setembro a Semana da Maior Idade, destinada aos Seniores do Município de Ílhavo. As inscrições para as visitas culturais serão na Junta de Freguesia de 10 a 17 de Agosto.

3. – O Bispo de Aveiro publicou esta semana no jornal Correio do Vouga, as novas nomeações sacerdotais para o ano 2017/2018. As nomeações encontram-se afixadas no placar da Igreja. O Padre Pedro deixará de ser Pároco da Gafanha da Encarnação, da Gafanha do Carmo e Vigário Paroquial da Gafanha da Nazaré e irá ser Pároco da Mamarrosa e Bustos e Vigário Paroquial da Palhaça e Oliveira do Bairro. Tenhamo-lo presente nas nossas orações para que seja sempre fiel nesta nova missão de serviço a essas comunidades.

Ver nomeações aqui

Padre Pedro José - Sobre as mudanças dos padres



Pe. Pedro José

COMUNICADO PAROQUIAL: “Sobre as mudanças dos padres”

1. D. António Moiteiro olhando às necessidades da Diocese tornou públicas as diversas nomeações para o ano pastoral de 2017-18. No arciprestado de Ílhavo, vai haver alterações principalmente nas paróquias da Gafanha da Encarnação e Gafanha do Carmo e, indiretamente, na Gafanha da Nazaré. A primeira passará a ter como pároco o Pe Gustavo Fernandes (ordenado, em julho de 2016). A segunda, o Pe Ângelo Silva, que acumulará com a paroquialidade da Praia da Barra e da Costa Nova (este ano completei 20 anos de ordenação juntamente com o Pe. Ângelo e o Pe. Torrão, fomos ordenados juntos em 13-07-1997).

2. Na condição de pároco da Gafanha do Carmo (desde Agosto 2015 e vigário paroquial desde 2013) e da Gafanha da Encarnação (desde Agosto 2015 e vigário paroquial desde 2010) e vigário paroquial da Gafanha da Nazaré (desde 2010), comunico que irei ser pároco das paróquias de Bustos e Mamarrosa (onde trabalhara o Pe Gustavo Fernandes), fazendo a transição até aos fins de Setembro, o que será oportunamente anunciado. Serei ainda vigário paroquial de Oliveira do Bairro e Palhaça, estas paróquias terão como pároco o Pe Francisco Melo, regressado dos estudos em Roma.

3. Procurei falar (mas não o terei conseguido fazer a 100%), pessoalmente e/ou em grupo, com os elementos dos Conselhos Pastorais, dos Conselhos Económicos, dos Órgãos Diretivos do CSP da Gafanha da Encarnação, dos Coordenadores(as) e Responsáveis das Pastorais e Serviços, com diversas Pessoas que me aconselharam no exercício desta Missão, Etc. E fiz desses diálogos/conversas a partilha da Verdade que queremos descobrir e viver juntos, preferencialmente, como pároco, das Paróquias do Carmo e da Encarnação, e menos, na Nazaré, onde resido, como vigário paroquial. Ouvi muitas pessoas e também fui ouvido por muitas pessoas: dou graças ao Espírito Santo. Experimentei fragilidade e transparência, medo e coragem, proximidade e distância, família e união. Estas “mudanças dos padres” nem sempre são desejadas, compreensíveis ou previsíveis. Mas são a vida (a)normal da Igreja em Missão. Na mudança quero olhar o “dedo de Deus” e as “necessidades humanas”. O resto não sei bem, acredito e procuro rezar.

4. Procurei fazer a transição através das pessoas e dos desafios/problemas em cada realidade paroquial diferente. Prestarei Contas Paroquiais, onde ainda não o fiz, e junto das instâncias de direito e como dever de consciência. Em avaliação, muito resumida e infiel, tentarei corrigir as faltas e guardar as graças:

- Aos Pobres e desvalidos – não ouvi nem servi como devia, embora os respetivos Grupos Paroquiais da Cáritas, estejam em reformulação nas pessoas e, também, nos recursos físicos em curso; - aos Doentes e às pessoas carentes, na ajuda humana e espiritual – não fui suficientemente vezes ao Hospital ou a Cada Casa indistintamente… Mas ouvi muitas Confissões, celebrei muitas Unções (sacramentais e não só…) que me fizeram crescer como padre; - da Catequese das crianças até à formação dos jovens; - não ouvi nem instrui como devia mas fizemos celebrações fortes (com ajuda e generosidade importantíssima dos Grupos Corais) que deixam sementes a cuidar; - nas Direções de Instituições; nos Movimentos e Serviços Pastorais, nas Comissões de Festas, nos Agrupamentos de Escuteiros; na EAP de Ílhavo; nos Serviços que não consigo retratar e lembrar…– não estive e não acompanhei na devida competência… O “Lugar e Tempo dos Leigos” é insubstituível: padre que não o reconhece “perde oportunidades pastorais…”; - da Oração à formação cristã dos adultos, nas suas várias vertentes; - as «Missas» são a nossa formação permanente e não só…; “o complexo é simples”: fazer uma «visita diária» ao Santíssimo Sacramento, nos sacrários paroquiais…; continuarei a rezar por todos os irmãos defuntos cujos Funerais que “presidi” (difícil doutrina da “comunhão dos santos”: tenho os “santinhos” de todos(as)!!!); no “resto” quase tudo está por fazer e fortalecer, mas nunca estaremos sozinhos… - da atenção e ajuda constante ao Mundo, nas Pessoas e Instituições e Associações diversas… – ouvi e tomei dois dedos de conversa (às vezes depressa de mais…): com muita «boa gente» e dou, especialmente, graças a Deus pelo dom da Tolerância e da Cidadania. Para o «Fim» caminhamos que é tudo o que temos que «ser e fazer»... Hoje e Agora (depois de termos e darmos as Chaves da Obrigação e, sobretudo, da Missão, continuar: “Aprender, Aprender, e novamente Servir”. Quanto mais Aprender a ser Padre/Pároco…, e aprendi com todos os Padres com quem fiz Equipa Pastoral, a partir da Residência da Gafanha da Nazaré (Pe. Francisco Melo, Pe. Hélder Ruivo, Pe. João Santos, Pe. João Sarrico e Pe. César Fernandes), e no Arciprestado de Ílhavo, ao longo destes 7 anos, melhor será o “meu” Serviço às Comunidades presentes e futuras.

5. Continuo a pedir a Vossa Oração (temos de enviar «mais» Pré-Seminaristas e Seminaristas, como já o fizemos, com ajuda de Catequistas e das Famílias, bem como «promover» todas as Vocações de Consagração e temos de o fazer de Coração «mais» generoso… ). Peço o Perdão pelos meus erros/falhas pastorais e humanos, e pelo temperamento impaciente. A Bênção de Maria, para cada um de Nós e nossas Famílias, como Mãe da Igreja e respetivas Padroeiras em Cada Comunidade, nos acompanhem sempre na Vida e no Serviço. Mais duas palavras finais: Muito Obrigado e a Vossa Oração é Muito Importante!

Pe. Pedro José, pároco da Gafanha do Carmo e da Gafanha da Encarnação, e vigário paroquial, da Gafanha da Nazaré, 04-08-2017.

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Bispo de Aveiro procedeu a nomeações para 2017-2018

Bispo de Aveiro

Ao longo do ano pastoral que se aproxima e para o qual vão ser feitas as nomeações na nossa diocese de Aveiro, pretendemos promover a caridade pastoral como critério identificador do ser e da missão dos respetivos agentes, particularmente dos ministros ordenados, que expressam desse modo o ser e o agir de Jesus, Bom Pastor, que se fez próximo de todos, nomeadamente dos mais fragilizados, e sejam testemunhas do Evangelho da alegria na Igreja em saída missionária.
Os bispos recebem, tal como ensina o concílio Vaticano II, o encargo de servir a comunidade cristã, juntamente com os sacerdotes e os diáconos, e presidir em nome de Deus às comunidades de que são responsáveis, a fim de a missão confiada por Jesus aos seus apóstolos seja continuada pelos pastores que são colocados à frente da sua Igreja (cf. LG 20).
As nomeações para o próximo ano pastoral devem suscitar o que o Papa Francisco pede a toda a Igreja e, portanto, também a cada um de nós: «Sonho com uma opção missionária capaz de transformar tudo, para que os costumes, os estilos, os horários, a linguagem e toda a estrutura eclesial se tornem um canal proporcionado mais à evangelização do mundo atual que à autopreservação» (EG 27).
Tendo em conta todos estes princípios, as nomeações deste ano são as seguintes:

Vigário geral
P. Manuel Joaquim Estêvão da Rocha – Vigário geral da diocese de Aveiro, tendo já sido nomeado no passado dia 4 de julho e tomado posse em 7 seguinte.

Seminário Santa Joana
Equipa formadora: P. João Marques Ferreira dos Santos – Reitor;
P. Leonel Santiago Abrantes – Formador;
Diretores Espirituais: P. Paulo Cardoso da Cruz e P. Armando Batista da Silva SCJ, com a devida autorização do seu Provincial.

Centro Universitário Fé Cultura (CUFC)
P. Leonel Santiago Abrantes – Diretor do CUFC, com a colaboração do P. João Marques Ferreira dos Santos.

Párocos
P. João Miguel Araújo Alves – Pároco da paróquia da Vera Cruz, no arciprestado de Aveiro.
P. Francisco José Rodrigues de Melo – Pároco das paróquias de Oliveira do Bairro e Palhaça, e Vigário Paroquial das paróquias de Bustos e Mamarrosa, no arciprestado de Oliveira do Bairro.
P. Pedro José Lopes Correia – Pároco das paróquias de Bustos e de Mamarrosa e Vigário Paroquial das paróquias de Oliveira do Bairro e Palhaça, no arciprestado de Oliveira do Bairro.
P. Alberto Guirao Gomariz – Pároco de Paradela, no arciprestado de Sever do Vouga, mantendo a paroquialidade de Sever do Vouga.
P. Licínio Manuel Figueiredo Cardoso – Pároco de Cedrim, no arciprestado de Sever do Vouga, mantendo a paroquialidade de Silva Escura e Dornelas.
P. António Francisco da Silva Cabeça – Pároco de Couto Esteves, no arciprestado de Sever do Vouga, mantendo a paroquialidade de Pessegueiro do Vouga e Rocas do Vouga.
P. Ângelo Manuel Pereira da Silva – Pároco da Gafanha do Carmo, no arciprestado de Ílhavo, mantendo a paroquialidade de Costa Nova do Prado e Praia da Barra.
P. Gustavo André da Silva Fernandes – Pároco da Gafanha da Encarnação, no arciprestado de Ílhavo, acumulando com os anteriores ofícios na Secretaria da Diocese.
P. Ivanil José Portela – Administrador Paroquial de Ouca e Vigário Paroquial de Vagos, no arciprestado de Vagos.
P. Narciso Perpectua Amoro, SVD – Colaborador Pastoral das paróquias de Lamas, Segadães e Trofa, no arciprestado de Águeda.
P. Alberto Nestor Camões Rodrigues Sobral – Colaborador Pastoral da paróquia da Glória, no arciprestado de Aveiro, mantendo o múnus de Chanceler da Cúria Diocesana.
P. José Manuel Marques Pereira – Responsável da equipa para os diáconos permanentes, acumulando com a paroquialidade de Fermentelos.

Outros serviços pastorais
P. João Gonçalves – Diretor da Casa Sacerdotal Santa Joana Princesa, acumulando com os anteriores ofícios.

Diáconos permanentes
Diác. José Augusto Pereira da Silva – Colaborador Pastoral da Paróquia de Oiã, no arciprestado de Oliveira do Bairro.

As tomadas de posse serão coordenadas com os respetivos arciprestes e deverão ocorrer até ao fim de setembro.

Aveiro, 31 de julho de 2017 (Memória de S. Inácio de Loiola)
+ António Manuel Moiteiro Ramos, Bispo de Aveiro.

Li aqui